Transformar a dor em beleza. A arte como um abraço.

Hoje não tenho muitas palavras.

É daqueles dias em que já escrevi e apaguei vários pedaços de um texto que teima em ser uma lamentação. Como se eu escrevesse este blogue para me lamentar.

Não, este blogue têm a missão de elevar.

Mas hoje, não encontro palavras que não falem sobre a tristeza que sinto. E está bem. A tristeza é uma emoção tão válida como todas as outras, não a receio, deixo-a fluir.

É nestes dias que me foco em agradecer ainda mais. Agradecer pelo menos 3 coisas de manhã, à tarde e à noite. Pequenas âncoras que ajudam a não me identificar com as minhas emoções e a não perder a perspectiva. É nestes dias que me forço a caminhar mais, a saltar no trampolim (o meu antidepressivo favorito) e a mexer o corpo.

Eu fui criada numa família católica onde todos os Domingos íamos à missa. E durante a missa,  o padre dizia:

– Corações ao Alto.

e nós  respondíamos

-O nosso coração está em Deus.

Hoje coloco o meu coração ao Alto, e deixo-me flutuar no Oceanos das Mães Divinas.

Criei estas peças como uma oração, para que a mãe Divina embale nos seus braços as minhas amigas que já partiram, mas também aqueles que  sofrem, e não falo do sofrimento visível; falo do silencioso, daquele que leva as pessoas a desistirem, a morrerem devagarinho sem que ninguém se aperceba.

Hoje escrevo para ti que olhas o mundo e não consegues calar a tristeza nem a indignação. Eu vejo-te, eu compreendo-te. Não tenho respostas, só a minha arte para te trazer alento e lembrar que nós temos o poder de transformar e re-criar o que quer que a vida nos traga pela frente. Como?

Elevando o coração, àquele sítio dentro de nós onde mora a divindade. Não vai fazer a dor desaparecer, mas dá-nos um alento, uma luz que nos aquece o peito e  nos compele a seguir em frente.

Com muito amor

Ana

Se te identificas com que acabaste de ler, talvez queiras assinar a minha newsletter mensal. A cada Lua Cheia eu envio um e-mail com novidades e inspiração.

Subscreve o correio da Lua Cheia
Aqui

Círculos de Tecelagem – Tece o teu Verdadeiro Eu

Círculos de Tecelagem

 São grupos que se reúnem para tecer no tear da vida as 7 formas elementares da Arte de Tecer a Vida, que nos conduzem a uma viagem de descoberta, onde aprendemos  a integrar o que amamos ao que fazemos no mundo.

Mudar a forma como nos vemos

E um círculo de Tecelagem é:

Um lugar para descobrir e explorar a criatividade natural, experimentar cores, texturas e padrões que fazem o coração cantar enquanto tecemos sob e sobre fibras naturais, tocando com os dedos o que é orgânico e real…

Uma comunidade, onde nos arriscamos a ser nós mesmos, partilhando e tecendo a nossa história num círculo seguro e solidário….

Um refugio, de paz e pertença que nos empodera a tecer algo com significado e cura, onde somos encorajados em silêncio, com ritmo e fluidez, a voltarmo-nos para dentro …

Uma celebração onde ninguém nos julga se quisermos cantar e dançar, onde podemos visionar  o que queremos para o nosso futuro, encontrar uma maneira de ajudar o mundo e acima de tudo aprender a viver a vida de forma sagrada.

“Quando a descoberta pessoal leva alguém a aprender a fazer alguma coisa, com as mãos, unindo movimento, pensamento e sentimento à busca activa de objectivos a longo prazo, esse alguém transforma-se significativamente e irreversivelmente.”

Dr. Frank Wilson, The Hand

Os Círculos de tecelagem já ajudaram

Cuidadores em geral:

Médicos, Enfermeiros, Psicoterapeutas, Fisioterapeutas e Terapeutas Ocupacionais, Assistentes Sociais, Coachers, Lares de Terceira Idade, Centros de dia

Educação:

Professores e alunos do ensino básico, secundário e universitário, de escolas de arte, ensino Waldorf, praticantes de ensino doméstico, educadores de infância e catequistas

“O significado inerente destas formas elementares foi a melhor coisa que já me aconteceu.”

– Joyce Anderson

Facilito Círculos de Tecelagem em qualquer ponto do país, para um mínimo de 8 pessoas e um máximo de 10.

Programa de um Círculo de Tecelagem Aqui.

Onde e quando podes atender um Círculo de Tecelagem Aqui.

Tece o teu Verdadeiro Eu enquanto crias o tecido da tua comunidade!

O teu corpo é um fio que se pode transformar em qualquer coisa. Atreve-te, cria-te!

Um fio pode conter milhares de micro fibras que depois de torcidas se  transformam num corpo, um organismo independente com o qual podemos construir objectos sem fim.

As fibras são uma metáfora para as nossas células, e o fio representa o nosso corpo e a sua plasticidade. Com o nosso corpo podemos criar e re-criar quem somos vezes sem fim. Descobrir as mil e uma maneiras de usar um fio e dar-lhe sentido é o meu trabalho enquanto artista, descobrir como criar e re-criar-me face aos desafios da Vida é o meu trabalho como Ser Humano, ajudar outras pessoas a descobrirem-se e re-criarem-se  é o meu Serviço.

E para ti que lês este blogue há meses e ainda não tinhas percebido bem qual é o meu trabalho, aqui está:

Continue reading “O teu corpo é um fio que se pode transformar em qualquer coisa. Atreve-te, cria-te!”

Entrega e Fé…Manual de Sobrevivência para grandes tempestades.

Eu sei que para quem está a atravessar uma crise falar de Entrega ou Fé pode parecer quase um insulto. Eu já lá estive e apesar de saber a teoria, parecia-me impossível entregar-me. Tanto que me parece que na verdade o processo de cair no abismo é mais difícil do que estar realmente caído. O que dói e o que custa é estar a mergulhar na escuridão e não saber nem quando vai parar, nem o que nos espera no centro da tempestade.

A peça que vocês vêem nas fotos é uma reflexão sobre o “olho da tempestade”. Foi feita a pensar nas pessoas que já sofreram o impensável, mas que ao chegar ao centro do sofrimento encontraram uma luz mais forte e mais cristalina do alguma vez experiênciaram, porque a luz brilha mais forte no escuro.

Continue reading “Entrega e Fé…Manual de Sobrevivência para grandes tempestades.”

Resoluções de Ano Novo e a minha lista de 10 hábitos para aumentar a produtividade.

Eu tenho os meus rituais de fim de ano. Acho importante fazer um balanço do ano que passou, entregar e libertar o ano velho e preparar o novo ano. Normalmente tenho um caderno, onde vou escrevendo na última semana as experiências mais importantes do ano que passou e onde começo a projectar os objectivos para o novo ano. Ao longo do ano os objectivos podem mudar, e é por isso que tenho um caderno só para os objectivos. Sabe-me bem, uma vez por mês rever as minhas metas e reflectir sobre elas.

E talvez o segredo para eu sentir que resoluções de ano novo são um importante investimento do meu tempo, é que eu sou activa com as minhas resoluções, elas não são pensamentos que se perdem no ar enquanto mastigo umas passas. As minhas resoluções são pensadas, ponderadas e revistas todos os meses!

Do meu caderno de resoluções fazem parte: uma lista de hábitos para aumentar a minha produtividade e um mantra para o ano, que venho partilhar com vocês.

img_20170102_182813

Continue reading “Resoluções de Ano Novo e a minha lista de 10 hábitos para aumentar a produtividade.”